Netinho acusa médico paulistano de ter receitado anabolizantes que quase o mataram - Som da Terra FM - sdt

últimas

Pedir Música

Post Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Netinho acusa médico paulistano de ter receitado anabolizantes que quase o mataram

Netinho: planos de publicar um livro sobre o período de internação (Foto: Divulgação)

O cantor baiano Netinho, de hits como Mil E Uma Noites e Fim de Semana, acusou o médico Mohamad Barakat de ter receitado medicamentos anabolizantes que quase causaram sua morte em 2013. É a primeira vez que o cantor menciona o nome do nutrólogo.

De acordo com a nota publicada pelo músico no Facebook no domingo (24), Barakat teria prescrito anabolizantes a ele entre 2010 e 2011, garantindo que não afetariam sua saúde e nem sua voz. Em maio de 2013, ele passou um ano internado no Hospital Sírio-Libanês. Em seu grave histórico de saúde, relata ter tido três AVCs, implantado válvula cerebral, stent cardíaco, entre outros procedimentos.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o cantor confirmou as declarações. Procurado, o médico não se pronunciou sobre o caso.

Diz o texto: "Se apenas hoje eu falo sobre A VERDADE como aconteceu o tratamento que fiz com o médico paulista Dr. Mohamad Barakat, é porque APENAS recentemente eu consegui recuperar TODAS as provas do que me aconteceu: receitas médicas, e-mails trocados com o Dr. Mohamad Barakat e suas secretárias na época quando ele me receitou e vendeu os produtos (anabolizantes, insulina, hormônios e diversos suplementos)".

No post, ele ainda menciona que publicará um livro sobre o caso e cita reportagem de capa de VEJA SÃO PAULO intitulada "Os Médicos Que Receitam Bombas", que mostra como Barakat e outros profissionais recomendam anabolizantes e hormônios sintetizados em laboratório para pacientes que buscam rapidamente o corpo perfeito, atitude reprovada pelo Conselho Federal de Medicina.

No início deste ano, Barakat virou réu em uma ação do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), que abriu processos ético-disciplinares contra três especialistas da capital. O trabalho é a evolução de uma sindicância aberta no órgão depois da publicação da mesma reportagem.

Veja SP

Nenhum comentário:

Post Top Ad