Carreata reúne multidão e deixa ruas de Fortaleza em azul, vermelho e branco - Som da Terra FM - sdt

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Carreata reúne multidão e deixa ruas de Fortaleza em azul, vermelho e branco

Foto: MATEUS DANTAS



Vaqueiro, no bairro Vila União, pouco se via. Recobrindo cada centímetro, um mosaico tricolor. Quando, às 16h30min, os portões do desembarque do Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional Pinto Martins se abriram para o reencontro do elenco do Fortaleza, recém-chegado de Juiz de Fora-MG, com a torcida, a cena foi de arrepiar: como canta o hino tocado à exaustão, o Tricolor, feito uma ilha cercada de uma alegria insana por todos os lados, recebeu um abraço dado por milhares.

Não importava se o perigo de se machucar era iminente. Os torcedores dependurados na viatura do Corpo de Bombeiros só queriam tocar, tirar uma selfie, pedir um autógrafo na blusa suada da espera sob o forte sol. Guardar qualquer que fosse uma lembrança palpável da emoção que os extasiava desde o sábado, 23, com a confirmação do acesso à Série B do Campeonato Brasileiro diante do Tupi.

Seguindo o time até a Arena Castelão, as ruas do trajeto ficaram estreitas demais para o transbordo de torcedor — a estimativa de presentes ao festejo não foi divulgada. Tinha quem saía do carro para esperar o desengarrafar do trânsito, aproveitava para pular e não importava se segurava a criança de colo nos braços. Era pulo de criança, adolescente, pai e mãe — famílias inteiras feitas de uma paixão.

Houve também aquele cujo carro “deu o prego” no meio da carreata, aí foi o jeito descer, mas sem parar de cantar, até veia do pescoço saltar num canto-grito de alívio. Se era para suportar o calor ou para mostrar o que estava gravado no peito direito, houve quem tirasse a blusa e revelasse o escudo tricolor tatuado num desenho feito mais que de tinta: de certeza e de amor. Das janelas, nas calçadas, em meio às ruelas por onde passava, para os jogadores os olhares eram sorrisos e multiplicavam-se as mãos que batiam no peito com um orgulho represado por oito anos.

ALÍVIO

De olhos marejados, Flávia Ferreira olhava de cima do trio a imensidão de gente. Supervisora da vigilância do Terminal de Cargas do Aeroporto, ontem não era dia de trabalho. Mas ela se voluntariou para um turno extra e foi de bom grado, mas não sem antes trocar o costumeiro uniforme pela blusa do Leão. “Coincidentemente, trabalho aqui há oito anos, e já vi muito jogador ir e vir. Mas só hoje, diante dessa emoção, criei coragem para pedir uma foto”, revela.

A festa foi para o cobrador Glaydson dos Santos, 26, uma espécie de tira-teima.

“O acesso é o fim de um ciclo ruim. Nesses oitos anos, perdi meu irmão, meu pai, levei um tiro. Deus me livrou para eu poder viver esse dia de ver meu time subir. Essa noite, deitei e não dormi. Tive medo de acordar e ser mentira”, conta feliz da vida que o alívio era verdade.



DOMITILA ANDRADE



Nenhum comentário:

Post Top Ad