Ala petista do governo quer barrar alta da taxa de juros no próximo ano - Som da Terra FM - sdt

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Ala petista do governo quer barrar alta da taxa de juros no próximo ano

(Foto: reprodução)

Depois da queda do ministro Joaquim Levy, o próximo alvo da ala petista do governo Dilma é a política monetária, com um objetivo já definido: tentar evitar que o Banco Central eleve a taxa de juros no próximo ano.
Reservadamente, assessores presidenciais já começaram, inclusive, a se movimentar nesse sentido, colocando em dúvida a necessidade de uma alta dos juros como tem sido indicado pelo BC em seus últimos comunicados.
A nova equipe econômica, porém, é contra esse tipo de pressão por avaliar que pode ferir sua credibilidade logo na largada. Por isso, não quer que esse assunto entre na pauta da reunião desta segunda-feira (28) com a presidente Dilma, como defende a ala política do governo.
Dilma deve reunir sua nova equipe para discutir o pagamento do passivo das pedaladas fiscais e medidas para o próximo ano, como a reforma da Previdência Social.
A tendência do governo é buscar pagar todo o passivo das pedaladas, de R$ 57 bilhões, mas ainda depende de garantir que isso é operacionalmente possível.
Sobre as medidas, a ideia é enviá­las ao Congresso logo na volta dos trabalhos do Legislativo para sinalizar que o governo vai garantir o reequilíbrio das contas públicas no médio e longo prazos.
Em relação à taxa de juros, a ala petista teme que o BC suba os juros já na primeira reunião de 2016, nos dias 19 e 20 de janeiro.
O temor aumentou depois de o banco divulgar seu relatório de inflação na semana passada, quando voltou a alertar que, se a inflação correr o risco de estourar o teto da meta em 2016, de 6,5%, fará o que for necessário para evitar este cenário. Ou seja, pode elevar a taxa Selic, hoje em 14,25% ao ano.
De olho nesse risco, a ala petista do governo já defende, por exemplo, que a presidente Dilma eleve a meta de inflação do próximo ano, que já está fixada em 4,5%, com dois pontos percentuais de tolerância para cima ou para baixo ­2,5% ou 6,5%.
A ideia é aumentar o centro da meta para evitar que o BC seja obrigado a subir os juros, proposta que já circulou no primeiro mandato de Dilma, mas que foi rejeitada. 
Leia a notícia na íntegra no site Folha de S.Paulo.
Fonte: Folha de S.Paulo

Nenhum comentário:

Post Top Ad