Internet abalou 'pilares de sustentação do jornalismo' diz diretor de Redação da Folha de São Paulo - Som da Terra FM - sdt

últimas

http://stream.sejahost.com.br/player-html5/ODc4NCtZ?skin=sem_rtmp&autoplay=true&cor=126999

Post Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Internet abalou 'pilares de sustentação do jornalismo' diz diretor de Redação da Folha de São Paulo

Foto /Reprodução

O diretor de Redação da Folha de São Paulo, Otávio Frias Filho, disse que o jornalismo atual vivencia um "profundo paradoxo". Segundo ele, "nunca se divulgou nem se leu tanta notícia", mas "os pilares de sustentação do jornalismo foram abalados pela transformação tecnológica", destacou ao participar da abertura de um evento de comemoração dos 95 anos do jornal.

Para Frias, a tecnologia possibilitou o surgimento de novos veículos de comunicação em novas plataformas e estimulou um "jornalismo comunitário, militante, autoral e até de entretenimento". "Mas são parciais. Não podem nem pretendem reproduzir a referência do jornalismo profissional", disse.

Segundo o diretor de Redaçāo da Folha, "fazer bom jornalismo" custa caro, por ser uma "atividade dispendiosa" e a perspectiva publicitária nesse campo tem se mostrado mais problemática", disse referindo-se à crise enfrentada pela mídia tradicional.

"A equação econômica que permita sustentar o jornalismo como serviço independente e criterioso, movido pelo espírito público, ainda está por ser solucionada", lamentou.

Leia íntegra do discurso:

"Senhoras e Senhores, Prezados Expositores e Convidados, Caros Colegas:

O jornalismo vive um profundo paradoxo. Nunca se divulgou nem se leu tanta notícia como hoje. Uma série de veículos surgiu ou se espraiou pelas novas plataformas de comunicação. Uma imensidade de novos leitores se acrescentou ao leitorado tradicional. As redes sociais se tornaram uma ampla câmara de ressonância e debate sobre o que é publicado nos próprios meios jornalísticos.

Essa diversidade tem sido benéfica para o público. Variantes de jornalismo comunitário, militante, autoral e até de entretenimento contribuem para a pluralidade de ângulos. Mas são parciais.

Não podem nem pretendem reproduzir a referência do jornalismo profissional, que procura fazer um resumo periódico do mundo, resumo sempre precário, mas tão abrangente, isento e confiável quanto possível –e tendo boas razões de mercado para se empenhar em perseguir esse ideal.

Por outro lado, e daí o paradoxo, os pilares de sustentação econômica do jornalismo foram abalados pela transformação tecnológica. Bom jornalismo é atividade dispendiosa. Embora exista um público muito promissor disposto a remunerar o trabalho jornalístico na forma de assinatura digital, a perspectiva publicitária nesse campo tem se mostrado mais problemática.

A equação econômica que permita sustentar o jornalismo como serviço independente e criterioso, movido pelo espírito público, ainda está por ser solucionada. Este será, com certeza, um dos temas neste encontro.

Mas os avanços na escolaridade e o próprio aumento da classe média em escala mundial são motivo para confiança. Preparam, por assim dizer, a demanda, um leitorado cada vez mais numeroso e com mais discernimento.

Dada a qualificação dos participantes, é certo que as discussões de hoje e amanhã vão propiciar uma troca de experiências preciosa sobre os caminhos da profissão. Vão iluminar também a tempestade de crises –econômica, política e por assim dizer judicial– que se desatou sobre o Brasil.

Fonte - http://www.brasil247.com/

Nenhum comentário:

Post Top Ad