Apenas repelente não é suficiente para evitar picada de mosquito do zika - Som da Terra FM - sdt

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Apenas repelente não é suficiente para evitar picada de mosquito do zika

Foto:reprodução da internet
A principal orientação do Ministério da Saúde para evitar o contágio pelo zika vírus, transmitido pelo Aedes Aegypti, é o uso tópico do repelente industrial. O produto, no entanto, não é 100% eficaz e deve ser utilizado ao lado de outras medidas preventivas, segundo especialistas de diferentes áreas médicas consultados pelo UOL.

Coordenador dos testes pela vacina contra a dengue desenvolvida pelo Instituto Butantan, o professor de imunologia e alergia da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) Esper Kallas é taxativo: o repelente industrial é o meio de combate mais adequado ao mosquito, mas não faz 'milagres'.

De acordo com o pesquisador, produtos anti-insetos como os repelentes de tomada também auxiliam, mas têm a mesma eficácia, por exemplo, de ações caseiras de efeito passageiro como velas ou essências de citronela. "São medidas que ajudam, mas não eliminam o risco da picada".

O ideal é adotar um conjunto de medidas iniciado pela erradicação de focos de criadouro do mosquito em sua casa. (Veja medidas de prevenção)

Só alguns repelentes são eficientes contra o Aedes, diz infectologista
Coordenadora da Sociedade Brasileira de Infectologia e professora da Unifesp, a infectologista Nancy Bellei aponta que nem todos os repelentes industriais espantam o mosquito Aedes Aegypti.

"Os repelentes naturais agem por cerca de 20 minutos e evaporam; os repelentes industriais têm duração um pouco maior, mas apenas aqueles à base de icaridina ou picaridina funcionam contra o Aedes". Os demais repelentes industriais, explicou a infectologista, ou são facilmente resistidos pelo organismo, ou têm concentrações muito baixas do produto ativo permitido no Brasil.

Anvisa lista produtos registrados
A Anvisa (Agência Nacional de Saúde), alerta para os tipos de repelentes adequados para grávidas e crianças e o número de vezes que podem ser repassados ao longo do dia sem prejuízo. 

Gestantes do primeiro ao terceiro mês de gravidez, por exemplo, podem usar com segurança repelentes à base de DEET (n,n-Dietil-meta-toluamida) – não recomendados, por outro lado, para uso em crianças menores de 2 anos.

Em crianças entre 2 e 12 anos, explica a agência, a concentração dever ser no máximo 10%, e a aplicação, ser restrita a três vezes ao dia. Concentrações da substância acima desse percentual são permitidas para maiores de 12 anos. Os produtos à base de DEET duram, em média, até quatro horas no corpo.

Produtos feitos com as substâncias repelentes Icaridina ou picaridina, como o Exposis, têm duração prolongada: até dez horas. Repelentes com EBAAP ou IR3535 têm duração de até quatro horas.

O registro dos produtos pode ser consultado no site da Anvisa, que disponibiliza também a lista de produtos cosméticos registrados 

Pressão popular para mais pesquisas científicas
Para Kallas, o alarde em torno da existência de outro vírus transmitido pelo mesmo inseto pode ter efeito didático na população – especialmente na busca por voluntários às pesquisas científicas que desenvolvem vacinas e remédios para as doenças. 

"É importante esse engajamento da sociedade - a situação está difícil demais para a gente ainda achar que o chá da vovó tem a resposta para as doenças, quando, na realidade, isso deve ser buscado por meio de respostas científicas", declarou.

Com informações do UOL

Nenhum comentário:

Post Top Ad